Sporting CP

Leia as mensagens trocadas pelos agressores de Alcochete

O violento ataque à Academia do Sporting, em Alcochete, que culminou com agressões aos jogadores e equipa técnica dos leões por parte de cerca de 50 indivíduos encapuzados, terá sido previamente combinado através de mensagens na rede social WhatsApp. As referidas conversas, cujo conteúdo foi revelado pelo ‘Correio da Manhã’, foram mantidas em três grupos – ‘Piranhas’, ‘Exército Invencível’ e ‘Academia Amanhã’. Nelas, ficou explícito o incitamento à violência contra a comitiva leonina, na sequência da derrota com o Marítimo, na Madeira, na última jornada do campeonato.

“Batam neles PF”; “Que vergonha f*, vamos bater neles?”; “Filhos de uma grande p*, por mim era ir ao treino”; “Bora, vamos lá… tudo a levar nos cornos”, são algumas das frases trocadas entre os elementos dos referidos grupos. Para além disso, existem menções a determinados elementos do plantel. “F*, igual ao Adrien, fazem tudo ninguém lhes faz nada, eu quero bater neles e no Jesus também, parecia que tava na praia deitado. F*… Inadmissível… Um treinador do Sporting deitado num jogo, f*, epa” ; “Coentrão na 2ª parte não quis jogar mais”; “William essa m* já nem palavras tenho para esse gajo só me apetece espancá-lo”; “Patrício f* vê se mesmo que já se tá a cagar para o clube, Coates nojento mais uma vez, Piccini nem com a peida consegue, Gelson é burro todos os dias, Bas Dost não corre pensa que só jogam para ele”, terão escrito alguns dos invasores à Academia, no passado dia 15 de maio.

Procuradoria confirma 9 detidos
Em comunicado, a Procuradoria Distrital de Lisboa confirma terem sido efetuadas nove detenções na segunda-feira, numa megaoperação entre a GNR e a PSP. Dentro desse lote, oito deram ontem entrada no Tribunal do Barreiro. Durante o período da manhã, o juiz de instrução criminal, Carlos Delca, informou a comunicação social que os suspeitos só deverão começar a ser ouvidos a partir de hoje.

Autor: Ricardo Granada
Fonte: Record

Adiciona um comentário